O cinema nacional é preconceituoso? Reflexões sobre (o poder da) mídia, representações sociais e homossexualidade.

André Felipe Vieira Colares, Larissa Oliveira Silva, Agnes Franceille Freitas

Resumo


Em tempos de globalização os meios de comunicação constituem um dos principais atuantes na mediação da sociedade. A mídia atua na construção de estereótipos, conceitos e discursos que por vezes são unilaterais. Questiona-se aqui, de que forma a mídia, através do cinema nacional, vem tratando a questão da homossexualidade e suas representações? Tal reflexão faz-se pertinente devido ao poder de influência dos canais midiáticos. Em virtude da proposta de trabalho aqui apresentada, esta pesquisa apresenta-se de caráter qualitativo descritivo. Optou-se pelo método de análise de filmes proposto por Penafria (2009), uma vez que busca-se aqui uma análise aprofundada dos enredos desenvolvidos em três filmes nacionais: Do começo ao fim; Flores raras; e Hoje eu quero voltar sozinho. Observou-se que, apesar do cinema nacional apresentar avanços ao representar a homossexualidade com naturalização, tal representação reforça, ainda, estereotipagens de classe. De forma que gays empoderados econômico, político e socialmente não são estigmatizados.




REBELA - Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos
ISSN 2237-339X
Instituto de Estudos Latino-Americanos - IELA
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro Socioeconômico - Primeiro andar - Bloco D 
Florianópolis SC
Telefone: + 55 48 37216483

e-mail:iela@contato.ufsc.br